Ninkasi, a Deusa da Cerveja

Ninkasi é a antiga deusa sumeriana da cerveja, que transformou uma mistura de água e cevada em um líquido dourado, conhecido hoje como cerveja.

Era uma deusa muito popular que fornecia cerveja aos deuses. Ela era considerada a própria personificação da cerveja.

Receba as postagens do Ninkasi Beer Club no seu e-mail!

sexta-feira, 22 de janeiro de 2021

Arte e café: artista plástico Jean Tomedi assina linha limitada do Soul Cafés e Companhias


Para cada consumidor, a relação com o café emite um sentimento: energia, adrenalina, afeto. Na rotina do artista plástico Jean Tomedi, a bebida é uma fonte de inspiração. E foi para expressar essa relação que o Soul Cafés e Companhias o convidou para compor a série Café com Alma. São cinco ilustrações, numa edição limitada e assinada de 10 exemplares cada, criadas por ele e carimbadas manualmente nos pacotes da bebida. Depois de consumida, a embalagem se transforma em uma obra de arte. 

O cliente pode escolher os grãos que acompanham a embalagem. Estão disponíveis as opções da linha Harvest, que é dedicada a grãos com notas sensoriais complexas e diferenciadas: Sítio Alto Liberdade (notas a capim limão), Sítio São Sebastião (notas a melado), Sítio Jatobá (notas a frutas vermelhas, cereja e mel), Sítio Santa Rita (notas a castanhas) e Fazenda Venturim (notas a maracujá). A série está à venda no site loja.soulcafebnu.com.br e também na loja física. 

O artista revela que a relação entre a bebida e o cotidiano e o olhar sobre todo o processo da bebida inspirou as artes. “Numa das peças, trouxe a mão que é uma das principais ferramentas criativas do ser humano e também fundamental para o café: desde a colheita até o preparo. Em outra, chamada de A Textura da Torra e do Corpo, traz a expressão do corpo, o movimento do preparo e do efeito do café que é sentido em todos nós e de forma individual para cada um”, exemplifica. As sensações são representadas em outras peças, assim como a própria movimentação das pessoas. 

No ateliê de Jean, que fica em Blumenau (SC), ele serve café para os convidados, escolhendo o método e cumprindo todas as etapas do preparo. “Assim como em uma loja de perfumes, quando o café limpa o olfato para que novos aromas possam ser percebidos, entendo que a bebida cumpre o mesmo efeito em tudo: nos recomeça, nos abre novas possibilidades de sentir”, finaliza. 

Sobre o Soul Cafés e Companhias 

Reconhecido por produtores nacionais pelo protagonismo na terceira onda do café em Santa Catarina, o Soul Cafés e Companhias é uma microtorrefação e casa especializada em café que fica em Blumenau (SC). 

Na torrefação, são criados produtos tendo como matéria-prima grãos de produtores que se especializaram no movimento de cafés especiais de todo o Brasil. Na loja, são 13 métodos de preparo e sempre três grãos diferentes. 

Todas as informações estão em www.soulcafebnu.com.br. 


Fonte: Melz Assessoria

sexta-feira, 15 de janeiro de 2021

Maniacs Brewing abre primeiro bar em São Paulo


A cervejaria paranaense Maniacs Brewing inaugurou em outubro seu primeiro bar em São Paulo. Localizado perto da avenida Paulista, nos Jardins, o objetivo é criar experiência com as marcas para todos os públicos da Maniacs e um espaço para relacionamento com clientes e distribuidores.

O local, em formato de showroom, disponibiliza os principais produtos da Maniacs e marcas parceiras The Brooklyn Brewery e Morada Cia Etílica. Serão 11 torneiras com chopps rotativos e todo o portfólio de cervejas especiais das marcas disponível nas geladeiras, incluindo as linhas especiais Maniacs Rebellion e garrafas rolhadas da Brooklyn e Morada. Em breve, o local vai oferecer espaço para treinamento e pequenas degustações guiadas.

“Estamos cada vez mais presentes na vida dos consumidores, através dos mais diversos canais de venda”, explica Iron Mendes, CEO da Maniacs Brewing. “Sentíamos a necessidade de um espaço para vivenciarmos a experiência direta com o consumidor final em São Paulo e podermos apresentar todo nosso portfólio de cervejas sazonais que algumas vezes não está no varejo. Outro ponto importante é termos um showroom para trazermos donos de bares, restaurantes e equipes de supermercados para conhecerem nossas cervejas e receberem treinamento”, detalha.

Expansão da marca

O Bar da Maniacs em São Paulo se alinha ao processo de expansão da marca. Em conjunto com o Bar da Fábrica em Curitiba, com a nova plataforma de e-commerce e com o crescimento da malha de distribuição no varejo, a cervejaria abrange diversas formas de relacionamento com o mercado e prevê crescimento de 80% em 2020 em relação a 2019.

Bar da Maniacs São Paulo

Alameda Joaquim Eugenio de Lima, 1280. São Paulo/SP. 01403-002

Horários:

Segunda-Feira

16h-22h

Terça-Feira

Fechado

Quarta-Feira

16h-22h

Quinta-Feira

16h-22h

Sexta-Feira

16h-22h

Sábado

11h-22h

Domingo

11h-20h


Sobre a Cervejaria Maniacs

A Maniacs Brewing Co. iniciou suas atividades em 2016, mas sua equipe executiva conta com uma grande experiência no mercado de cervejas artesanais. Atuantes desde 2005, participaram do nascimento e consolidação de diversas marcas de cervejas internacionais e nacionais no Brasil. A Maniacs faz cervejas com personalidade, porém fáceis de beber, adequadas ao nosso clima e cultura gastronômica. Feita por Loucos por Cerveja para Loucos por Cerveja!


Fonte: v3com

Novo lote da Yellow Tart, da cervejaria Dádiva, chega aos pontos de vendas nesta semana


O verão chegou, e junto com o calor, vem aquela vontade de garimpar tudo o que há de mais fresco em meio à variedade de bebidas, certo? A Yellow Tart, Berliner Weisse sazonal de verão da cervejaria Dádiva, é exatamente assim. Essa cerveja leva em sua receita três tipos de frutas (abacaxi, manga e pêssego), cujas características individuais são responsáveis por trazerem à bebida sua multiplicidade de aromas e sabores marcantes, em que sobressaem as notas cítricas e frutadas.

Em seu novo lote, a Yellow Tart, é uma cerveja turva e de coloração amarelo claro, fermentada com leveduras inglesas e que passa pelo processo de dry hopping (técnica de utilização de lúpulos na fase de maturação da bebida com o objetivo de acentuar os aromas trazidos pelo insumo à bebida) com lúpulos americanos. Esse procedimento confere a ela uma potência ainda maior de frutas tropicais.

A Yellow Tart possui 4,4% de teor alcoólico e acompanha bem saladas, queijo de cabra, frutos do mar e sobremesas com frutas. A temperatura ideal para serviço é indicada entre 4ºC e 8ºC.

O novo lote dessa Berliner Weisse, disponível em latas de 473ml, chega aos pontos de vendas ainda nesta semana. Será possível encontrá-la em bares, empórios e ecommerces especializados em cervejas artesanais. O preço sugerido é R﹩ 27,00.


Fonte: Ônix Press

quarta-feira, 13 de janeiro de 2021

À procura da artesanal perfeita


Ouvimos três apreciadores de cervejas especiais, que nos contam quais as experiências que buscam em suas jornadas atrás de sabores inigualáveis e o que já encontraram por aí

“No caminho é que se vê a praia melhor pra ficar

Tenho a hora certa pra beber

Uma cerveja antes do almoço é muito bom pra ficar pensando melhor”

Chico Science (1966-1997) não explicou, na letra de “A Praieira”, música de Da Lama ao Caos, primeiro álbum com a Nação Zumbi, se a cerveja que lhe abria a mente para reflexões mais profundas era uma tradicional ou especial. É pouco provável que fosse uma bela artesanal, já que a música está no disco lançado pela banda em 1994, quando as cervejas especiais ainda não eram tão abundantes no Brasil quanto hoje. Mas o fato é que a bebida, na hora certa para ser degustada – antes do almoço – lhe fazia um bem danado. É a tal da experiência.

“Sentir o aroma, analisar a cor, saber onde é fabricada, até mesmo a proposta de nome e rótulo compõem toda a experiência de tomar uma cerveja artesanal”. É como Rodrigo Capuski, fotógrafo de 37 anos, define o prazer de apreciar uma cerveja especial. Ele não diz se a melhor hora é antes de uma das refeições do dia, mas do jeito que descreve o ato de saborear a bebida, deixa claro que, assim como era para Chico – ou para o personagem da música – para ele, se trata de um momento único.

Uma circulada por bares, restaurantes e churrascos leva qualquer um a entender empiricamente que a cerveja é a bebida preferida no país. Dados do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) revelam que o número de cervejarias cresceu acima dos 30% nos últimos dois anos. São Paulo, Rio Grande do Sul, Minas Gerais e Santa Catarina são os destaques nacionais do setor. Até fevereiro de 2020, eram 1.171 cervejarias cadastradas na pasta, em plena atividade, número acima dos 889 contabilizados em 2018. As regiões sudeste e sul do país somam 85% da produção de cerveja em território nacional.

Consumidor exigente

O impulso nesse mercado veio também das cervejas artesanais. Segundo análise da myTapp, startup brasileira que atua no ramo cervejeiro com soluções tecnológicas, o boom das artesanais, a partir de 2010, está relacionado à exigência maior dos consumidores quanto à qualidade e variedade da bebida, rótulos diferentes e experiências únicas de consumo.

Exigência essa que atravessa gerações. Se inicialmente a impressão é a de que são os mais jovens que consomem as artesanais, o rol de apreciadores não encontra limites de idade ou de gênero.

“Artesanal não tem a ver com a idade, mas com quem aprecia qualidade”, ressalta José Nicolau Kutianski, 62 anos, cirurgião dentista. “Qualidade nos componentes que dão aromas e sensações gustativas inigualáveis”, acrescenta.

Nicolau não tem de memória quando foi sua primeira experiência com as especiais. Mas não bobeia ao falar da sua marca preferida: “é a Maniacs”. Uma das cervejarias artesanais mais populares do Brasil, a Maniacs Brewing Co. nasceu em Curitiba em 2016 e se define como “feita por loucos por cerveja para loucos por cerveja”. Atuam nesse segmento desde 2005 ao participar do nascimento e da consolidação de diversas marcas de cervejas internacionais e nacionais no Brasil.

Já Rodrigo lembra que foi com a Murphy’s Irish Stout que o mundo das artesanais se abriu para ele. “É bacana compartilhar com os amigos quando você descobre uma cerveja de qualidade. E as opções são infinitas se contar com tudo o que há disponível no Brasil e no mundo”, comemora.

Michele Garbosa entrou nesse universo em 2015. A analista de mídia de 31 anos embarcou numa aventura degustativa quando começou a procurar por cervejas diferentes nas gôndolas de supermercados tradicionais. Pouco tempo depois, enquanto passeava pelo bairro do Bacacheri, em Curitiba, se viu diante de um bar que vendia cervejas artesanais no tap. Decidiu entrar para experimentar e se tornou apreciadora. “Resumidamente, sabor!”, responde enfática ao ser perguntada por que recorre sempre às artesanais. “A experiência na hora da degustação, tentar identificar os sabores, é divertido”.

O caminho da degustação

Esse processo de apreciação e degustação se assemelham aos vivenciados pelos amantes do vinho. Mesmo que Nicolau, Michele e Rodrigo não sejam especialistas em cerveja, daqueles que, de olhos vendados, conseguem apontar qual a marca e quais as características de cada uma experimentada. “No começo eu não conseguia distinguir muito bem as diferenças”, assume Michele. “Com o tempo, fui aprendendo a identificar alguns dos sabores presentes em cada cerveja, mas ainda continuo no processo de aprendizagem”, diz.

“Apesar da minha percepção ser bastante limitada para isso, não tenho habilidade de diferenciar notas sutis nas bebidas, sou um amante do lúpulo. Então costumo diferenciar melhor as variações dele entre as cervejas que costumo tomar”, aponta Rodrigo.

Universo masculino? Nem tanto

Cerveja normalmente é vista como uma bebida para homens. Até bem pouco tempo atrás, as campanhas publicitárias pareciam falar exclusivamente com o público masculino. Algumas ainda mantém essa abordagem, indo na contramão da história.

“De fato, o mundo cervejeiro acaba sendo ainda bem masculino, mas eu conheço algumas mulheres que também apreciam as cervejas artesanais”, conta Michele. “Costumamos degustar juntas alguns rótulos e sempre conversamos sobre sabores, textura”. Foi em uma dessas degustações que nasceu a Conframina, grupo de mulheres que deseja reunir ainda mais apreciadoras das especiais para, juntas, compartilharem sabores, experiência e conhecimento sobre a bebida.

Ainda que perceba alguns rastros de machismo nesse meio, Michele celebra o fato de já encontrar mudanças. Em suas experiências atrás do sabor perfeito, encontrou gente disposta a ajudá-la com explicações sobre cada tipo diferente de cerveja. “Hoje, tomar cerveja artesanal se tornou um hobby, e uso o aplicativo Untappd para fazer check in nas cervejas e tirar fotos dos rótulos”, afirma.

“Dizem que o melhor da conquista é o caminho que leva a ela. Concordo”, sinaliza Iron Mendes, CEO da Maniacs. “Poucas coisas são mais saborosas do que a busca por sabores diferentes e experiências inéditas na degustação de cervejas especiais. É por isso também, por essa riqueza de experiências e possibilidades, que o segmento das cervejas especiais é um mercado em ascensão”, acrescenta.

O mercado é, de fato, crescente e promissor. Segundo o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, o número de cervejarias artesanais no país aumentou mais de 91% entre 2015 e 2017.

Pelos números no Brasil, o mercado deve, pouco a pouco, adquirir um formato semelhante ao dos EUA, o mais forte para cervejas artesanais no mundo. Em 2019, a categoria representou 13,6% em volume e 25,2% em valor do total de cervejas comercializadas, uma receita de U$ 29,3 bilhões (R$ 169 bi), de acordo com dados da Brewers Association. Por lá, o off trade representa em torno de 65% do total do mercado, movimentando U$ 19 bilhões (R$ 110 bi) e mais de dois bilhões de litros de cervejas artesanais. 

Fonte: v3com

Para começar 2021: ESCM terá 16 cursos concentrados sobre produção, gestão e sommelieria


Quem planeja começar 2021 pensando em novas oportunidades de carreira ou em melhorar o seu currículo, já pode garantir um primeiro passo. Estão abertas as inscrições para os cursos concentrados da Escola Superior de Cerveja e Malte (ESCM) de janeiro. São 16 formações – três presenciais com todas as medidas de segurança – e 13 na plataforma de ensino à distância que forma alunos desde 2017 na instituição.

Os cursos variam entre uma e duas semanas de duração e abordam temáticas relacionadas a produção, gestão e sommelieria de cervejas, além de bebidas não-alcoólicas e formação em destilador. A metodologia da ESCM prevê aulas ao vivo, que ficam disponíveis para consulta por seis meses, além de material didático e networking no ambiente digital.

Na área de produção de cerveja, é possível aprender a fazer cerveja em casa, com o curso de cervejeiro caseiro, ou então se especializar em temas como tecnologia cervejeira (redução de custos e melhorias de qualidade), microbiologia da cerveja (leveduras e contaminações), aprofundamento em lúpulo (informações técnicas e impacto no produto final), cervejas não convencionais (sem glúten, sem álcool e ácidas, por exemplo) e controle de qualidade para cervejarias (estratégias para manter o padrão na produção).

Na área de gestão, são três possibilidades. O curso Como Montar sua Cervejaria traz informações para um plano de negócios completo e análise de viabilidade de negócios cervejeiros, já a formação em Gestão Comercial aponta como estabelecer estratégias e um departamento comercial que traga resultados e o Gestão de Microcervejarias aponta uma visão global de administração de uma fábrica.

Na área de sommelieria, à distância é possível cursar Aprofundamento em Estilos e Harmonização. Para quem está interessado em outros mercados, a ESCM também oferece a formação em destilador (para produção artesanal de whisky, gin, vodka e cachaça) ou produção de bebidas não-alcoólicas (refrigerantes, sucos, energéticos e kombucha).

Presencialmente, em Blumenau (SC), os cursos são: cervejeiro artesanal (home brewer), microbiologia da cerveja e Sommelier de Cervejas, com diploma internacional da Doemens Akademie. As turmas são reduzidas, com menos de 50% da capacidade, e todos os procedimentos de segurança serão reforçados.

Sobre a ESCM

Com mais de 10 mil alunos formados em seis anos de atuação, a Escola Superior de Cerveja e Malte é a primeira e única instituição de ensino superior especializada na cerveja, da América Latina. É parceira da alemã Doemens Academy, uma das mais respeitadas entidades do mundo.

São cerca de 90 cursos diferentes, em mais de 300 turmas já formadas. Na sede, em Blumenau (SC), além das salas de aula estão disponíveis 12 laboratórios voltados para o ensino de cerveja. Parcerias com cervejarias da região garantem visitas técnicas e relacionamento com o mercado durante os cursos.

Todas as informações sobre a instituição estão em www.cervejaemalte.com.br.


Fonte: Melz Assessoria